24 de novembro de 2010

Peru para Mãos de Vaca



Viajamos pelo Peru por 20 dias em outubro deste ano, passando por Lima, Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu.
Neste período, tentamos ver tudo que nosso tempo e disposição permitiram, mas o Peru é um país tão diverso que alguns meses seria pouco para conhecer profundamente a cultura deste povo.

Você logo perceberá que se tratam de 3 mundos completamente distintos:
- Lima é uma metrópole, bastante semelhante a São Paulo em vários aspectos, como o trânsito, a loucura das ruas cheias de pessoas, as opções gastronômicas e os perigos de uma cidade grande;
- Cusco, por sua vez, é uma cidadezinha linda, mais segura, porém interiorana e com pouca variedade de lojas e restaurantes, apesar de possuir uma infraestrutura turística excepcional;
- já o Vale Sagrado, onde estão localizadas várias ruínas incaicas, é uma viagem aos tempos pré-colombinos e que pode ser bastante precária, às vezes.

Sem dúvida, Peru é um país que surpreendente, tanto posivita quanto negativamente.


O que você precisa saber antes de viajar ao Peru?

Em Lima:

 

- quase nunca chove, apesar de estar quase sempre nublado;

- tome bastante cuidado na hora de atravessar as ruas, pois o trânsito é caótico. O melhor é se juntar a um bando de locais e imitá-los, pois a união faz a força. Pelo menos, se vocês forem atropelados, será mais de um para contar a história. Estar dentro de um táxi não fará com que a emoção seja menor, pois todos dirigem como loucos e como se não existissem leis de trânsito.

- cuide de seus pertences. Apesar de haver muitos policiais no Centro histórico, isto não é garantia alguma de que eles farão alguma coisa para ajudá-lo caso você seja roubado. Não ostente jóias, relógios ou equipamentos eletrônicos que possam chamar atenção.

- táxis são muito baratos, por isto é provável que seja seu principal meio de transporte, já que as atrações são longe umas das outras. Dê o endereço de onde você estiver indo e pergunte o preço antes de embarcar no táxi (os carros não tem taxímetro). O melhor é que você tenha alguma noção prévia de quanto custa a corrida para aquele trecho.
Ao ver que você é turista, o taxista aumentará radicalmente o preço, assim, você tem duas opções: chamar outro táxi, ou chorar e pedir um desconto. A tendência geral dos motoristas é baixar o preço, mas alguns são irredutíveis. Mas táxi é o que não falta nesta cidade!

- os ônibus coletivos são baratos, pequenos, sujos e estão sempre lotados. Como os taxistas levam quantas pessoas couberem dentro do carro (já sugeriram que a gente fosse no porta-malas), se você estiver em grupo, valerá a pena e será mais rápido se você for de táxi.

Em Cusco e no Vale Sagrado


- os problemas relacionados à altitude não são brincadeira. Se você estiver chegando de avião, é bem provável que sentirá na hora seus efeitos, como tontura, dor de cabeça, enjoo e outros sintomas.
Dá-lhe chá de coca!
E cuidado com algumas pessoas, como os taxistas do aeroporto, que se aproveitarão de seu atordoamento.

- eita povo que gosta de subir morros! Os incas deviam ser muito sarados, pois uma semana subindo e descendo morros deixará você arrebentado, se você não estiver em forma. Novamente, a altitude não ajuda muita nisto, pois dobra ou triplica o cansaço.

- antes de irmos ao Peru, pensávamos que este era o tipo de viagens só para doidões, porras-loucas, hippies, mochileiros ou esotéricos. Descobrimos que muita gente normal também viaja ao Peru e vai até Machu Picchu, aliás, até diria que se trata da maioria dos viajantes. Grupos enormes de gringos, como americanos e europeus, circulam pelas ruas de Cusco ou pelas ruínas de Machu Picchu.
Definitivamente, você não é obrigado a dormir em pocilgas, a comer lavagem, ou enfiar-se por trilhas escarpadas na beira do abismo por dias caso queira se divertir ou economizar.
O Peru é um país bastante barato e, mesmo com alguns luxos e extravagâncias, ainda será mais barato do que o equivalente no Brasil. E também existem hotéis 5 estrelas e restaurantes chiques por lá!

- um mito: muitos acreditam que, se você for de ônibus e trem desde o Brasil, passando pela Bolívia até o Peru, será mais econômico.
Pode até ser uma baita aventura, mas quase todos os mochileiros com quem conversamos estavam gastando bem mais do que a gente, que fomos de avião, além de perderem 10 dias para ir e outros 10 dias para voltar. Alguns só ficaram 1 dia em Cusco, 1 em Machu Picchu e já tinham de começar a viagem de volta, além de ficar horas e horas dentro de um ônibus.
Para mim, o legal é visitar e aproveitar as lugares, não ver tudo desde a janela de um ônibus.

- existem preços diferenciados para todos, para locais, para gringos e para latino-americanos. Tudo que você reservar antecipadamente pela internet será com preço para gringos, por isto, o ideal é pesquisar os preços já estando em Cusco, pois sairá bem mais em conta.
Talvez seja um pouco arriscado na alta temporada, mas na baixa é o melhor a ser feito.

***




Last October, we traveled to Peru for 20 days, and visited Lima, Cuzco, Sacred Valley and Machu Picchu.
We've tried to do almost everything possible in such a short period of time, but Peru is so diverse that months wouldn't be enough to fully access the culture of this people.

You'll quickly notice that there're 3 complete different worlds:
- Lima is a metropolis, quite similar to São Paulo in many aspects, such as the traffic, the crowded streets, many restaurants options, and the dangers of a big city;
- on the other hand, Cuzco is a wonderful small town, a little safer, but with fewer stores and restaurant options. However, there's an outstanding tourism infrastructure;

- finally, the Sacred Valley, where many of the Inca ruins can be found, is a travel through ancient times, before the arrival of Columbus, thus, everything can be very rudimentary.


There's no doubt that Peru is country full of surprises, good and bad surprises...


What do you need to know before traveling to Peru?

In Lima:


- it seldom rains, it's almost always cloudy though;

- be extremely cautious while crossing the streets, because traffic is chaotic. The best thing to do is gather up with some locals and imitate them. At least, if someone runs over you, there'll be more people to share the ER. Taking a cab is a thrilling experience as well; everyone drives like crazy, it's as there were no traffic laws.

- watch your belongings closely. Even if there're many police officers watching the Centro Historico, you can never be sure that they'll help if you get mugged. Do no show jewelry, fancy watches or electronic equipments that might attract attention. 

- the touristic attractions can be far away from each other, but taxi rides are pretty cheap, so probably this is going to be you mean of transportation most of the time. Give the to directions to the driver and ask the price before getting into the cab (the taxis does not have meters). It's better if you already have an approximate idea what would be the cost for that ride.
When the driver sees that you're a tourist, he'll raise the price to the top, so you'll have two options: hail another taxi, or ask for a discount. Most of the drivers will quickly drop the price, but some will stand their grounds. Don't worry: there're thousands of cabs in Lima! Go to the next one.

- the buses (colectivos) are cheap, small, dirty and always packed. However, the taxi drivers can take as many people that fit inside the car (one of them suggested that we could fit in the trunk), so if you are in a small group, a taxi ride will be probably a better deal.

In Cuzco and Sacred Valley


- altitude sickness is no joking matter. If you're arriving by plane, it's probable that you'll feel its effect right away: dizziness, headache, sickness and other symptoms.
Grab you cup of coca tea!
And be aware of some people, such as the taxi drivers in Cusco airport, that will take advantage of you momentary confusion.

- those folks really enjoy climbing uphill! The incas might had been very healthy, because after a week climbing up and down the hills you'll end up exhausted, if you're not in a good shape. And the altitude makes everything worse, it'll makes you feel even more tired.

- before traveling to Peru, we used to think this was the type of trips made by hippies, backpackers, some crazy fellas, or the esoteric folks only. We've found out that many normal people travel to Peru and to Machu Picchu as well. Huge groups of foreigners, Americans and Europeans, wander through the streets of Cuzco or Machu Picchu ruins.
Definitely, you don't have to sleep in slums, eat dog food, or walk for days in steep trails by the brink of an abyss if you wanna have fun or save money.
Peru is a very cheap country, and even if you're not the stingy type and want to spare yourself some luxury, it'll be far cheaper than going to Brazil, for example. There're 5 star hotels and upscale restaurants in Cuzco as well.

- a myth: many people believe that if you take a bus and a train from Brasil, crossing Bolivia in a 10 days trip to Peru, it'll be cheaper.
That's quite an adventure, but almost every backpacker we talked to that were doing this route were expending more the we did by plane. Some of them had only one day to spend in Cuzco and one in Machu Picchu, and had already to start another 10 days trip back by bus.
In my opinion, a nice trip is when you have enough time to visit and enjoy the destination, and not when you see everything by the bus window.

- there're different prices for everybody, locals, gringos and latin americans. Almost every reservation that you can make online will have prices for foreigners, so the best is to research prices already in Cuzco, which will be cheaper.
It might be a little risky during high-season, but in low-season it's definitely the way to go.

Importante: favor ler as Perguntas Frequentes - FAQ.


11 comentários via BLOGGER
comente também
  1. Faltou dizer quando é a alta e a baixa temporada. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. E sobre o uso de cartões de credito? É fácil encontrar estabelecimentos que aceitem sem maiores problemas (mesmo nas cidades menores)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre bom ter à mão um cartão internacional, que vc pode solicitar ao seu banco bem antes da viagem. São aceitos em praticamente todos lugares. Menos no pipoqueiro da praça, claro.

      Excluir
  3. Há muitos estabelecimentos que aceitam cartões de crédito, principalmente em Lima e Cusco, no entanto, não dá para contar muito com isto em Aguas Calientes e nos vilarejos.
    O ideal mesmo é carregar dinheiro trocado em soles.
    Tivemos uma certa dificuldade para sacar dinheiro em caixas eletrônicos do Banco do Brasil. O limite máximo de saque por vez era de 100 soles, por isto, se você quisesse mais, tinha de sacar várias vezes seguidas, pagando taxas todas as vezes, além da cotação ser menos favorável que das casas de câmbio.

    ResponderExcluir
  4. Acho que a alta temporada é em julho. A época de chuvas é de novembro a março.

    A questão dos saques é o que o Henry disse. Só se saca 100 soles de cada vez e é cobrada a taxa de uns 3 dólares por saque. Atenção: a CAIXA não oferece serviço de saque (débito) no exterior!

    Tive um pouco de dificuldade em usar cartão de crédito. Em cusco é difícil usar cartão se vc não estiver em um bom restaurante ou hotel. Às vezes cobram de 6% a 10% a mais para usar cartão.

    Recomendo levarem reais mesmo pra trocar nas casas de câmbio de Cusco ou Lima. Até a tiazinha que estava vendendo gorros deu o preço em reais! (Não é algo comum, mas foi inusitado.)

    ResponderExcluir
  5. Bom , outra forma interessante pra chegar em Cuzco no melhor estilo mão de vaca é fazendo a rota dos Andes . Tô indo nesse esquema agora em Setembro ! Vou sair do Rio de Janeiro com destino a Rio Branco (passagens à 148 reais ) e de lá eu pego um buzão para Cusco (114 reais , com duas frequencias semanais ). Achei bem mais rapido do que entrar por Corumba...

    ResponderExcluir
  6. O melhor é pagar a maioria das coisas em dinheiro, lógico que pra carregar a grana é necessário cuidado redobrado, como em qualquer viagem, mas o que gastei em taxas de cartão de crédito e de saques foi absurdo, até que veio a salvação pro resto da viagem, descobrimos em frente da Plaza de Armas em Cusco um banco em que pudemos sacar uma quantia grande com uma taxa muitíssimo menor se comparado as vários saques de 100 soles que teríamos que fazer pelo Banco do Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giselle, vc pode me dizer o nome desse banco?

      Excluir
    2. Boa noite, por favor, informe o nome desse banco, obrigado!

      Excluir
  7. Tenho dois amigos peruanos um mora em lima e o outro em cusco, eles me falarm que a alta temporada é nos meses de dezembro e janeiro. Agora no final do ano estou indo pra lá e vou passar o ano novo em cusco, gostaria de saber +- quanto de dinheiro que eu devo levar pra ficar 20 dias no Peru. Alguns dias em lima outros em cusco, machu picchu... Obrigado!

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    suas dicas foram preciosas, quero ir passear por lá e tenho medo do desconhecido.
    Parabéns pelo pelo post.
    Anajá

    ResponderExcluir



guias NY .PDF