1 de julho de 2014

Europa de trem com o passei Interrail - Berlim, Ávila e conclusões: vale ou não a pena?



De Colônia a Berlim
O nosso último trecho nesta viagem de trem entre Suíça, França e Alemanha seria entre Colônia e Berlim.

Assim como nos outros casos, com o passe Interrail tudo que precisaríamos fazer era ir até a estação de trem e embarcar.
Entretanto, no dia da nossa viagem, estava ocorrendo uma greve da empresa aérea Lufthansa e ficamos com medo que os trens estivessem lotados e nós não conseguíssemos viajar, por isto, pagamos para fazer uma reserva, o que custou 5 euros por passageiro.

Para este trajeto, apanhamos o trem de alta velocidade, o ICE (www.bahn.de), que é um dos orgulhos dos alemães. Percorre o trecho de mais de 500 km entre Colônia e Berlim, em pouco mais de 4 horas, num trem novo e confortável, que, em termos de comodidade, dá de dez em um avião.


Inclusive, foi a bordo deste trem que pedimos uma das refeições mais saborosas de toda a viagem, uma espécie de sopa alemã com salsicha e lentilhas que custou 10 euros. A minha esposa fala o tempo todo desta sopa...

A viagem foi extramemente tranquila, chegando com pontualidade em Berlin Hauptbanhof, de onde seguiríamos para nosso hotel no bairro de Kreuzberg.

Em Berlim, e em algumas outras cidades alemãs, o passe Interrail o permite utilizar livremente o S-Bahn, que é o trem metropolitano, o que já é uma economia adicional. No entanto, o passe não dá direito ao U-Bahn, que é o metrô, por isto, é precido prestar bastante atenção.

O que podemos dizer que é a viagem foi sensacional, uma das melhores que já fizemos na vida, quase sem nenhum contratempo e, convenhamos, viajar na primeira classe de trem é tudo de bom!


De Madri a Ávila


Contudo, a nossa viagem de trem não era para terminar por aí. Nossos planos incluíam uma segunda etapa pela Espanha, com passeios curtos de um dia saindo e retornando para Madri.
Como o nosso passe Interrail valia por um mês e ainda tínhamos quase 20 dias pela frente, a intenção era utilizá-lo para desbravar a Espanha.

O primeiro destino seria a cidade fortificada de Ávila, a pouco mais de 100 quilômetros de Madri.
Como as informações no site do Renfe (www.renfe.com), a empresa de trens da Espanha, estavam confusas, liguei no serviço ao consumidor para confirmar como funcionava, se, assim como na Suíça, França e Alemanha, bastava embarcarmos com o passe e pronto.
A informação que recebemos é que teríamos de passar antes no guichê, na estação, para reservarmos um assento, porém, sem custo. E esta informação foi repetida, SEM CUSTO!

Só que, na hora do vamos ver, quando chegamos para reservar um assento na estação, cobraram-nos 5 euros por pessoa para a reserva, sendo que o bilhete integral de Madri a Ávila custa 10 euros, ou seja, pagamos 50% do bilhete para a maldita reserva "sem custo".
A viagem de ida e volta de Ávila, com o passe Interrail, custou-nos 10 euros por passageiro, ou seja, 20 euros no total.
Isto foi um balde de água fria nos nossos planos de explorar a Espanha. 20 euros por cada trecho acabaria saindo uma grana violenta no final, sendo que com este valor você pode pegar um voo low-cost de Madri para Paris, por exemplo.
Além disto, logo descobrimos que não era um trem de viagem, mas sim um trem metropolitano, sem assento marcado, ou seja, paga-se uma reserva para não reservar porcaria nenhuma.
Como temos a opção de fazer estes trechos de carro, não fazia sentido gastar para isto.

Chateados, tivemos de abortar a segunda parte da "Europa de trem". Mão de vaca é assim...



Conclusão: vale a pena ou não usar um passe de trem (Eurail ou Interrail) para viajar pela Europa?

Como sempre, esta é uma resposta muito pessoal.

As primeiras coisas que você deve levar em consideração são:

- Por quanto tempo vou viajar?
- Quantos países/cidades quero conhecer?
- Qual é o custo de deslocamento para estes destinos com outros meios de transporte?
- Terei de pagar taxa de reserva para os trens?
- Quero conforto ou rapidez?
- Quero uma agenda mais frouxa ou terei tudo minuciosamente planejado.

Tenha em mente também que muitas cidadezinhas europeias lindas às vezes não são próximas de aeroportos, ou seja, neste caso você terá de alugar um carro, pegar um trem ou um ônibus.
Seguir somente de aeroporto em aeroporto acabará limitando-o a grandes cidades.

No nosso caso, para o trecho entre Suíça e Alemanha, por 10 dias e sem muitos deslocamentos, o preço do passe custaria quase o mesmo se houvéssemos pagado as passagens à parte, porém, se houvéssemos abusado mais dos trens, com trechos mais longos, com maior número de viagens, o passe seria extremamente vantajoso.
Se não fosse por causa do nosso bebê, teríamos viajado 30 dias sem parar com este passe.

Por outro lado, já não penso que para viajar pela Espanha, por exemplo, com esta taxa de reserva de 5 euros para trens locais e mais de 20 euros para trens velozes, valeria muito a pena.

De qualquer modo, viajar de trem pela Europa é uma vivência inesquecível e deixamos aqui a nossa recomendação.

Passes Eurail
www.eurail.com

Passes Interrail (para residentes da UE)
www.interrail.eu



Importante: favor ler as Perguntas Frequentes - FAQ.


Um comentário via BLOGGER
comente também
  1. Isso é pessoal mesmo, eu acho que só vale a pena se a pessoa quiser usar muito o trem, algo como ficar menos de 3 dias em cada cidade. Já viajei 3 épocas diferentes com os trens (italia, frança e suiça, além do inglaterra-frança), sempre compensou bem mais comprar os passes individuais, se comprar com mais de 30 dias de antecedência tem ofertas excelentes, inclusive para primeira classe.

    ResponderExcluir



guias NY .PDF